Cineclube Bamako inicia Temporada 2017 em Recife-PE

Cineclube Bamako

Saudações Cineclubistas!

O Cineclube Bamako comemora seus 5 anos com uma nova temporada. Embora estejamos lançando uma programação em uma cidade nova – Porto Alegre-RS, retomamos a temporada em nossa cidade natal – Recife – , e com parceiros novos: Desta vez quem nos recebe para as sessões mensais é o Espaço Preto no Branco.

Nossa sessão de abertura – Sessão Atlântico Negro – será no dia 10/05, às 20h. Neste dia, traremos uma sessão organizada em parceria com o Cineclube Atlântico Negro (RJ), que exibirá suas produções, além da presença de seu fundador e realizador dos curta-metragens, Clementino Junior, para um instigante debate sobre a experiência cineclubista no Rio de Janeiro. Teremos 4 filmes em curta-metragem: 3 documentários (Jurema, Feli(Z)cidade e Anamnese) e a ficção Tião.

Em 2017 o Bamako procura ampliar o alcance de suas ações com projetos que irão dialogar com cineclubes e organizações…

Ver o post original 252 mais palavras

Novas produções neste mês de abril!

Ilustração com a temática Violência contra a Mulher. Desenho em papel digitalizado / Pintura Digital

Saudações amigxs, parceirxs e clientes

Mês de Abril chegando ao fim e eu fico feliz ao compartilhar as novas produções que tenho realizado aqui em Porto Alegre. Muitas novidades nas áreas que tenho focado: Produção Gráfica, Ilustração, Captação / Edição de Som, Motion Graphics, Cineclubismo. Confiram:

Design:

Estampas Adinkras

Estampas baseadas nos símbolos adinkras, oriundos do reino de Gana. Tenho estudado e trabalhado as diversas formas e conteúdos, a estética destes signos junto aos seus significados. As escolhas das cores são baseadas nas cores de bandeiras de países africanos, como Costa do Marfim, Marrocos, Nigéria, Angola e Congo.

A ideia é produzir cadernos simples com encadernação manual, além de camisetas impressas com as técnicas do molde vazado (stencil) e serigrafia.

Estampas Diversas

Estampas elaboradas para confecção de ímãs de geladeira e adesivos. ilustrações antigas e recentes, manuais e/ou digitais. Boa parte foram ilustrações criadas para os cartazes do Cineclube Bamako, outras são criações livres adaptadas para pequenos formatos.

Ilustração

Também tenho continuado o desenvolvimento de ilustrações autorais, explorando novas técnicas e materiais como as canetas nankim e coloridas, lápis aquareláveis, pintura digital e desenho em em positivo / negativo. Material esse que futuramente devem gerar novos produtos.

Audiovisual

Motion Graphics

Venho desenvolvendo estudos e práticas de design e movimento na criação de vinhetas baseadas nos adinkras ou para a Bamako Produção. A ideia é gerar um link com os produtos impressos a partir de palataformas de realidade aumentada

Cineclubismo

O Cineclube Bamako em 2017 completa 5 anos de resistência. Estamos preparando atividades e ações em diversas frentes. Na elaboração de projetos de financiamento, articulações entre os estados de PE, RJ e RS e na organização da nova temporada, que acontecerá em Porto Alegre-RS a partir do mês de maio. No blog do Cineclube Bamako e suas demais redes sociais traremos mais informações. Por enquanto confiram a vinheta comemorativa:

Som

Em relação ao som, tenho continuado os estudos e práticas. Estou captando diversos ambientes na cidade de Porto Alegre, onde em breve devo desenvolver um projeto de cartografias sonoras.  Também venho fazendo parcerias com músicos e produtores de audiovisual. Um dos produtos foi o teaser abaixo, do cantor Kadinho Dias:

Confira também o áudio desta e de uma outra música:

Um novo ano, uma nova cidade

Saudações amigos, familiares e parceiros!

Chegamos ao mês de março, inicia-se o ano pós carnaval e aqui estou em Porto Alegre-RS, depois de 13 anos de “temporada” no Recife. Novas perspectivas, novas buscas, novos caminhos, novas articulações.

Por aqui desde janeiro, tenho sido muito bem recebido na cidade, embora o estranhamento inicial, o que é natural. Uma cidade bem bacana com muitos eventos de rua, muitos briques / brechós de artes, vinis, livros e, para minha surpresa, muitos blocos carnavalescos, até este mês rolando.

Nesta cidade tenho articulado com diversas pessoas bacanas, grupos culturais como o Ponto Z e a Akotirene, pontos de cultura como o Africanamente, e redes de empreendedores como a das Feiras Livres – Todos os Tons de Pretx.

Tenho desenvolvido cada vez mais meu trabalho com ilustração, design de som e design em movimento, produzido e aprimorando técnicas, bem como no processo de expandir estas criações a partir de materiais impressos, como camisetas em serigrafia, prints e outros produtos gráficos.

Além disso tenho organizado parcerias para desenvolvimento de propostas nas áreas do cineclubismo e de design de som, que em breve vão estar nas praças daqui. Aos poucos vou inserindo mais novidades desta nova etapa pessoal e profissional.

Asè!

Continuar lendo

Produções do mês de junho!

Enquanto uns ciclos se fecham, outros vêm com novas e boas perspectivas. Este mês de junho foi bastante intenso profissionalmente, por diversas ótimas razões.

Foi o período de fechamento da V Turma da Oi Kabum! Escola de Arte e Tecnologia Recife, e estivemos bastante concentrados na montagem e período de visitação da Mostra Agadê, que sintetizou o melhor das produções dos núcleos de Fotografia, Design, Vídeo, Computação Gráfica, Ser & Conviver e Palavra & Web.

Trabalheira danada, mas no fim das contas acabou dando tudo certo. Realizamos uma mostra linda e com várias obras instigantes de arte e tecnologia e nas linguagens. Para a obra Ei Pow Dance! Lab de Favela (videodança com interatividade a partir de recursos de realidade aumentada) tive um foco especial na composição sonora para este projeto, junto às educandas e educandos. Confira o resultado abaixo:

Fecha-se também este meu ciclo profissional como educador da ONG Auçuba no programa Oi Kabum! Recife, do qual levo ótimas lembranças  e diversas experiências positivas, pessoais e coletivas.

No entanto, muita coisa continua fluindo em sua normalidade. O Cineclube Bamako, está se dedicando neste ano de 2016 aos projetos de sustentabilidade, seja encaminhando a editais, captação direta ou em outras alternativas de financiamento de nossas atividades. Também temos buscado focar em produção audiovisual, com propostas para produção de videoclipes de grupos da nossa região ou em iniciativas autorais já encaminhadas (ficção, documental).

A Federação Pernambucana de Cineclubes (FEPEC) também tem realizado diversas ações, como os nossos encontros de formação, reuniões descentralizadas e parcerias para circulação de produções audiovisuais e de exibição em mostras nacionais. No mês de agosto irei representar, junto a outras duas companheiras cineclubistas, o Júri FEPEC no Festival de Cinema de Triunfo (PE).

Felizmente outras possibilidades profissionais vêm se abrindo. Tenho realizado alguns trabalhos freelance em design / mídias sociais para algumas ONGs do Grande Recife. E no dia a dia, na medida do possível, o exercício criativo vai se desenvolvendo. Procuro explorar possibilidades de criação manuais (ilustrações, sonoridades) ou com mídias móveis. Alguns dos vídeos no fim da postagem tem um pouco das produções sonoras e imagéticas dos últimos dias.

Fico feliz em poder atualizar com certa regularidade este espaço. No meio de tanta coisa nessa nossa vida atribulada é bom tirar um tempinho para organizar as coisas. No mais é isso, talvez daqui a um mês coloque mais novidades por aqui. Gratidão.

Maio de bastante trabalho e articulação!

wp-1462817528589.jpg

Roda de diálogo Parque Capibaribe

Boa tarde amigos e parceiros!

Este mês de maio já começou com diversas produções e articulações. Além das demandas mais rotineiras, como o trabalho com a Oi Kabum! Recife, com A Federação Pernambucana de Cineclubes (FEPEC) e com o Cineclube Bamako, estive participando de outras atividades que têm relação com meus interesses mais recentes em audiovisual, design e educação popular.

Na Oi Kabum! Recife estamos desenvolvendo obras para a mostra de arte e tecnologia que encerra o ciclo da V Turma da escola. No momento, estamos trabalhando com os núcleos de vídeo e computação gráfica uma obra que trata da temática do sexismo utilizando a linguagem da videodança e os recursos tecnológicos de realidade aumentada. Como educador tenho feito um trabalho bastante focado em sonoridades e os jovens estiveram bastante animados na elaboração da trilha sonora experimental.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Nestas últimas semanas recebi um convite do projeto Parque Capibaribe (INCITI/UFPE) para participar de um vídeo de apresentação desta proposta. Na terça-feira passada, junto a outros dois convidados, participei de uma roda de diálogo que comporá este documento audiovisual. Esta roda aconteceu no Jardim do Baobá, espaço onde habita uma baobá centenário e onde hoje é um dos pólos de ação do projeto. Os organizadores, então, apresentaram as projeções para curto, médio e longo prazos, de um parque que percorrerá vários quilômetros, seguindo a extensão do Rio Capibaribe. Desta maneira, os convidados pudemos contribuir com sugestões de como pensar este modelo para uma cidade-parque que visa contemplar uma nova relação da Região Metropolitana do Recife com seus habitantes.

wp-1462818764332.jpg

Baobá Centenário – Jardim do Baobá

E agora no fim de semana (ontem e anteontem) estive imerso em uma experiência de Eco-Vila que está acontecendo no Sítio Ágata, município de Tracunhaém-PE. Após diversos momentos de luta, alguns trabalhadores desta região conseguiram a posse da terra e nela estão começando esta relação que busca estreitar os laços entre campo e cidade através da construção comunitária desta Eco-Vila, pautada em questões de sustentabilidade, relação de respeito à natureza, empoderamento étnico-racial (afro-indígena) e feminista. Foi uma vivência muito agregadora, estamos fortalecendo laços humanos entre pessoas de diversas lutas, de diversas áreas e que trazem conhecimentos distintos, que vão desde a agricultura familiar e bioconstrução, até a comunicação social e o pensamento/prática estratégica que a área de design social pode oferecer. E são nestes últimos pontos que penso em contribuir, além de, obviamente, aprender sobre as outras áreas do trabalho.

Pois é, muitas articulações externas têm sido feitas e cada vez mais as relações entre arte, design, audiovisual, construção política, ativismo estão se integrando. De tempos em tempos irei trazendo aqui mais novidades do andamento destas construções coletivas. Axé!